Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Estudo: Fundos oceânicos escondem enormes reservas de água de baixa salinidade

Mäyjo, 26.03.14

 

Os fundos oceânicos das plataformas continentais ao largo da Austrália, China, América do Norte e África do Sul escondem enormes reservas de água de baixa salinidade, revela um estudo publicado na revista Nature, neste mês de dezembro.

Segundo a equipa liderada por Vincent Post (National Centre for Groundwater Research and Training, Flinders University, Austrália), existem 500 mil quilómetros cúbicos de água doce e salobra em aquíferos preservados em vários locais sob os oceanos.

“O volume desta reserva de água é cem vezes maior que a quantidade que extraímos da sub-superfície da Terra no século passado, desde 1900”, afirmou o investigador australiano ao Gizmag.

Num cenário futuro de cada vez maior escassez de água potável, os investigadores consideram estas reservas podem, potencialmente, vir a ser exploradas para a produção de água de beber, o que justifica que sejam alvo de mais estudos.

Com efeito, o Gizmag, refere que apesar dos elevados custos associados à perfuração dos fundos marinhos para acesso a estas massas de água, em termos energéticos é mais vantajoso explorá-las para produção de água potável do dessalinizar a água do mar, como se faz atualmente.

No entanto, para que tal possa acontecer é imprescindível que estes aquíferos não sejam contaminados pelas atividades de extração de petróleo e de armazenamento de dióxido de carbono (no  contexto do combate às alterações climáticas).

Aceder ao resumo do artigo científico “Offshore fresh groundwater reserves as a global phenomenon” 


Referência bibliográficas:
Post, VEA et al. 2013.  Offshore fresh groundwater reserves as a global phenomenon. Nature, 504:71-78. doi: 10.1038/nature12858

Fontes: http://www.nature.com e http://www.gizmag.com